10 fevereiro 2009

Tempo de Deus



Partindo da base que escrevi no post anterior, que penso ser uma forma bastante visível de perceber a minha relação com o mundo e a forma como faço parte dele, gostaria ainda de dedicar alguns pensamentos ao modo concreto como poderei no meio de um tempo ocupado, encontrar tempo para olhar a Vida com Deus.

O tempo de oração não é apenas um momento de paragem e dedicação exclusiva à meditação. É sobretudo uma atitude que posso - e devo - transportar nos momentos do dia a dia. Especialmente os seus frutos. Porém, temos necessidade de um tempo exclusivo para a oração, como o corpo precisa de respirar a plenos pulmões para se encher de maior vida e energia. E sabemos bem como é importante respirar profundamente.

Às vezes, chego a ser duro comigo mesmo, dizendo que para aquilo que realmente quero, encontro sempre tempo. De facto é assim, coisas urgentes podem esperar quando aparece improvisamente aquilo que mais quero fazer no momento. Se o que mais quero é estar no silêncio, eu e Deus, então consigo estar. Se quero mais ou menos, ou só alguns dias, então raramente estarei.

Cada pessoa encontrará no seu dia o tempo e o modo de rezar. É essencial que o queira e que precise dele como de ar para viver. O exercício que propus no post anterior é um bom início, partir do dia concreto, e amar-me enquanto o amo, perdoar-me enquanto o perdoo, ser melhor amanhã. Os frutos da constância vão surgindo e, da mesma maneira, a vontade de continuar e aperfeiçoar. Um ciclo virtuoso, rezar bem, faz querer rezar melhor. Mas só experimentando cada dia se poderá verificar como isto acontece.


PS: Este é um dos muitos modos de rezar, amanhã falarei de outro, que pessoalmente sigo, como me foi sugerido! Por hoje ficam estes conselhos, espero que ajudem. =)

4 comentários:

susana disse...

rezar é amar. é comunicar. Comunicar de forma profunda com aquilo que somos e com o que nos rodeia. Eu nao rezo segundo os pressupostos, as palavras que nos ditam. Rezo com o coração, sempre sem pressupostos de inferioridade em relação ao divino mas de humildade perante a inexperiência e a pouca sabedoria que transporto.
Os teus conselhos são preciosos. Porque são libertadores. Não castram a individualidade de cada um.
Um abraço muito grande para ti. Com carinho
su

Rosa disse...

Olá António
É bem certo, a nossa vida é uma agitação e correria constante...
Muitas coisas correriam bem melhor e teriam outro resultado se dispensássemos mais algum tempo há reflexão, meditação e oração.

"Nós temos necessidade de encontrar Deus, e Ele não se encontra no meio do ruído e da agitação. Deus é amigo do silêncio".
Penso ser de
Madre Teresa de Calcutá

Sabe António, eu habituei-me "não sei se é bem ou mal" a rezar a vida quotidiana, a rezar os trabalhos, as preocupações e as alegrias, o tempo e a natureza...
Penso que assim tenho Deus mais perto da mim, mais presente na minha vida.
Outra forma é realmente alguns espaços "como este" que nos ajudam com os seus textos a uma paragem e meditação.
Conselhos que ajudam :)

António, tenha uma noite abençoada.
Abraços

antrópico disse...

obrigado antónio, fico à espera de mais.

Ni disse...

Rezar como inspirar Vida.
Obrigada.

É bom estar aqui...

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates