04 fevereiro 2009

Relações humanas




(sugestão da sarita)

Nas minhas experiências de amizade, tenho descoberto algo que me fascina sempre mais. Cada pessoa é uma paisagem completamente nova. E completamente diferente. Conheço melhor quem sou quando me dou conta das diferenças: que os outros pensam, são e fazem de outra maneira. Aprendo com isso muitas formas novas de estar na Vida.

Há relações humanas que fazem parte da nossa vida, que não pudemos escolher, a nossa família, colegas de escola e de trabalho. Mas nem todas estas relações poderão vir a ser significativas para mim. Há um passo inicial que começa com uma conversa, uma sintonia, uma coincidência. Se algumas relações não as posso escolher, outras tenho a impressão de ter sido escolhido por elas. As relações significativas são aquelas de amizade ou de estar apaixonado, e isso percebe-se quando o meu dia é marcado por uma intenção, de me lembrar de alguém muitas vezes, ou de ter uma pessoa como critério das minhas escolhas, mesmo as mais pequenas. Estas relações acabam por fazer parte de mim, de uma forma que não posso iludir.

É aqui que surgem duas perguntas. Quem és para mim? Quem sou para ti? E a resposta pode ser juntar paisagens tão diferentes e fazer um mundo cheio de novas cores: mar e montanha, deserto e oásis, planície e cidade. Onde há partilha, alegria, crescimento, perdão, compreensão. Onde um não deixa de ser quem é, mas busca continuamente espaço para o outro construir a sua casa.

Mas outra resposta poderia ser uma só paisagem, onde não houvesse diferenças, ou um bosque onde não soprasse o vento, e o pólen não pode fecundar as plantas: Um peixe no oceano, uma árvore num jardim, um quarto numa casa. Onde o outro estivesse num espaço que eu tivesse já determinado, e do qual ele não poderia sair. Ou vice-versa.

A primeira resposta é liberdade, a segunda é dependência. A amizade e o amor perdem a força se são demasiado apertados entre abraços que não deixam brilhar a força e a beleza. E com isso, podemos acabar por perder tudo.



PS: No site essejota, foram já publicados duas reflexões sobre relações humanas, que gostei muito. Podem ver aqui e aqui. =)

5 comentários:

susana disse...

cada pessoa diferente que se cruza no nosso caminho é uma nova paisagem a admirar.É isso que levo destas tuas palavras... as relações mostram-nos tanto dos outros como de nós mesmos e para mim - como tudo na vida - têm como função desafiarem-nos, darem-nos colo e até mesmo partirem quando já nada nos acrescentam. Adoro ler-te, porque expões as coisas de forma tão clara que não faria melhor.
Um abraço
su

Anónimo disse...

Adorei a cara nova uhhhh, super moderno que estámos...és uma pérola do saber tu..."quem és para mim, quem sou para ti...", dá que pensar...dá ainda mais que rezar.

Obrigada por investires nisto, nos outros, em mim. Hoje sou melhor pela nossa relação. Obrigada*

Anawîm disse...

Agradeço-te esta belíssima partilha.


um abraço

sarita disse...

obrigada :) ..tentar crescer no dinamismo de "colorir" a minha vida..gostei mesmo de pensar desta maneira..tentar perceber as gradações que vão acontecendo. mas o que acho mais difícil e ao mesmo tempo mais bonito é conseguir isto "Onde um não deixa de ser quem é, mas busca continuamente espaço para o outro construir a sua casa"...

abraço ;o)

Antonio Valerio, sj disse...

Olá sarita e obrigado! =) Sim, isso é o mais difícil e também o mais bonito.É pena quando uma relação deixa de ter novidade. É preciso manter sempre uma capacidade enorme de escutar e interessar-se pelo que acontece ao outro, e fazer da minha parte o possível para que o outro cresça como é. beijinho e bom fim de semana! =)

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates