05 dezembro 2009

A Trindade





Sugestão de Nise

No meu primeiro ano em Roma fiz um curso de um semestre só sobre a Trindade. Daí que é um tema tão complexo que não é fácil, em poucas linhas, falar dele. Contudo, deixo algumas ideias de como entrar neste mistério, que de isso se trata. Como é mistério, é algo que, por mais que se explique, fica sempre por dizer algo. É nada mais, nada menos, que dizer quem é Deus, um só Deus que é três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Além disso, se se fizesse um questionário à porta das nossas igrejas, perguntando o que é a Trindade, estou certo que poderiam ouvir-se muitas "heresias". Espero que fique mais claro o que significa este mistério tão essencial da fé cristã.

A formulação do dogma da Santíssima Trindade tem uma evolução lenta, desde o início do Cristianismo. Desde os escritos do Novo Testamento que os cristãos estavam familiarizados com este tipo de expressões por parte de Jesus; "Quem me vê, vê o Pai", ou "Baptizai todos os povos em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo", ou "O Verbo se fez carne e habitou entre nós", entre muitas outras. A grande questão que se punha é qual a natureza de Jesus: se Jesus, que viveu entre nós, morreu e ressuscitou, é o Filho de Deus, então Jesus é Deus. E se Jesus continua presente no mundo através do seu Espírito, este é o Espírito de Deus, e também é Deus.

Vindos de uma religião monoteísta, os cristãos continuam a afirmar a sua fé no Deus Único. O mesmo Jesus expressa a sua fé neste Único Deus. E pouco a pouco, foi ficando mais claro que o Deus dos cristãos era estas três pessoas. Um único Deus, que é Pai, que é Filho e que é Espírito Santo. Na Trindade as Pessoas não se confundem nem se distinguem. Daí que o modo mais apropriado para falar deste mistério é de modo negativo: sem confusão e sem distinção das três pessoas divinas.

Não vou entrar em muitos pormenores mais teológicos difíceis de explicar, mas faço uma abordagem que talvez seja mais fácil perceber. Jesus, segundo o Evangelho de João é o Logos de Deus, ou seja, a Palavra, a Razão, tudo o que Deus exprime e deseja. Por isso, o Logos não está separado do Pai. Do mesmo modo, o Pai só é Pai porque tem o Filho e o Filho só é Filho porque tem o Pai. O Pai dá-se totalmente em Amor ao Filho e o Filho dá-se totalmente em amor ao Pai. De tal modo este Amor é forte que é ele próprio uma Pessoa, o Espírito Santo.

Assim, a Trindade é um Deus de relação, em que o Pai e o Filho são um Único amor recíproco, e esse amor de comunicação um ao outro é o Espírito. O Espírito Santo não fica limitado apenas a esta relação, mas da Trindade comunica-se o Amor de Deus ao mundo, através da criação, e a cada um de nós. Na Encarnação, o verbo de Deus assume a nossa natureza e a nossa história, como Deus não poderia deixar de fazer. Apenas um Amor tão absoluto consegue fazer com que Deus viva a nossa própria história, para nos fazer participar, pelo Espírito, da sua mesma Vida.


4 comentários:

Sol da manhã disse...

Olá!
Gosto muito de passar por aqui e parar em silêncio.
Mas hoje... :)! apetece-me partilhar um pouco.

Dizer Deus é dizer um nome de uma família: Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito Santo.
O rosto de Pai só nos é revelado pela ressurreição de Jesus e pela experiência pascal dos discípulos. Um Deus a quem Jesus de Nazaré chamava de Abbá, que quer dizer Papá, Paizinho. Um escandâlo, naquela altura! É por Jesus, que Deus ganha, que se revela com um rosto de Pai. Um Pai que se doa totalmente ao Filho, e um Filho que se recebe totalmente do Pai, num fluxo, numa dinâmica de Amo, com entranhas maternais, tão Forte ao qual nunca ouvimos dizer "eu", que é o Espírito Santo.

Deus já o era assim desde sempre. Mas é numa história de uma ALiança cheia de ternura com o seu povo que o seu rosto familiar se vai revelando... e é por meio do Espírito Santo derramado nos nossos corações que vamos descobrindo os traços encantadores do Seu rosto.

Ups... e já me estiquei muito e tanto ainda ficou por dizer...ups! :)!

Um abraço e boa missão :)!

Nova Civilização disse...

Antônio,

obrigada por essa reflexão!

abraços,

Gisele

Anónimo disse...

Olá, já não passava por aqui há algum tempo... Posso usar a palavra encanto para me ajudar a entender a palavra mistério neste contexto?

Nise disse...

Antonio,
Obrigada por este post.

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates