13 janeiro 2010

O rosto e o olhar



Hoje, no meio das minhas leituras encontrei algo que me fez pensar. Falava-se do rosto e do olhar. O rosto é uma fronteira entre o que eu conheço do outro e aquilo que o outro é. No rosto apercebemo-nos não só das características, mas também das suas emoções e das suas histórias.

Contudo é o olhar que faz transparecer aquilo que verdadeiramente enche o coração. Ou aquilo que o coração precisa. Posso olhar um rosto sem me deixar interpelar e ficar apenas pelo catálogo de muitas sensações e impressões. Agora, um olhar interroga, seduz ou intimida.

O rosto tem vida por causa do olhar e por vezes esse olhar pode elevar a alma ou destruí-la. Pode gerar-se um confronto sem palavras, que mede e calcula, à espera que o outro baixe o olhar, derrotado. É impressionante o poder que temos sobre as outras pessoas.

Mas existe um olhar que acredita, que constrói, que é sensível. Que não busca confronto, mas surpresa. Um olhar inocente e sábio na sua inocência. De quem não tem medo... gostaria de olhar sempre assim.

3 comentários:

Lídia disse...

...eu também gostava de olhar sempre de maneira inocente, sensível... olhar com os "olhos" de Jesus... um olhar sábio, puro, marcante, intenso e penetrante... um olhar que interpela, que constrói, um olhar que liberte numa procura incessante do bem...

Beijinhos
Lídia

Nova Civilização disse...

...um olhar muitas vezes pode ser uma janela a se chegar na alma!

abraços,

Gisele

Anónimo disse...

"Olhar sempre assim" como refere na parte final deste post, é um caminho e uma aprendizagem.

Todo o conjunto de sentimentos que a vida nos vai presenteando (mesmo os que menos "gostamos") tem a sua origem no Amor: o modo como os olhamos, os acarinhamos, os aceitamos e procuramos entender com frontalidade e nudez, vai-nos permitindo descobrir... o caminho de este "Olhar sempre assim"

Obrigada
Isabel

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates