12 abril 2009

Vida Nova


Qual é a certeza que temos da ressurreição? Há uns anos atrás, era esta a minha questão principal. Às vezes, é bom pormos em questão as coisas que nos habituamos a acreditar sem nos termos perguntado o porquê. De facto, a ressurreição de Jesus não teve testemunhas, para além do grupo dos discípulos que depois tiveram algumas experiências de O terem visto vivo. Mas isso poderia ter sido qualquer ilusão...



Mas olhando a história simplesmente, dá-se conta que não houve nenhum movimento religioso que, no espaço de 50 anos, se tivesse espalhado por todo o mundo conhecido da altura. O que teria acontecido para que um grupo de homens e mulheres judeus, de baixa condição social, tivessem anunciado que alguém com quem contactaram fisicamente tinha ressuscitado e este era o Filho de Deus? Na mentalidade judaica, isto era impensável. Além disso, este anúncio era feito no meio de perseguições e quase todos os apóstolos morreram mártires por causa disso. Deveria ter sido uma experiência de tal modo forte, que os obrigava a não estar calados, mesmo à custa da própria vida. Esta para mim é uma prova muito grande da ressurreição.



Mas o que isso poderá dizer-me hoje? Faz-me crescer num optimismo sem fim, acreditar que serei feliz e completo, apesar de tudo. A ressurreição não é uma espécie de momento mágico que apaga a dor e a tristeza. O corpo de Jesus ressuscitado tem as marcas da paixão. É toda a nossa história, e a história de cada dia que pode ser hoje, já, transformada em Vida Nova, com criatividade, entrega e desejo de nos superarmos. São estes os sinais mais claros que podemos viver já como ressuscitados.


6 comentários:

susana disse...

era o que dizia no blog do daniel... todos nós temos a nossa paixão... e todos nós ressuscitamos mais que uma vez na vida. Para nós, para os outros e para Ele.
A paixão do Mestre continua. A nossa também. Mas eu acredito que não é em vão. Acredito nos momentos de perfeição que nos ressuscitam.
su

Antonio Valerio, sj disse...

Sim, também concordo ctg su, sempre que amamos mais do implicam os gestos normais, se superamos coisas más, se nos acitamos a nós e aos outros, isso é ressuscitar. Também acredito que teremos uma ressurreição final, a Vida é demasiado grande para acabar de um dia para o outro. Não cabemos no tempo, Deus tem uma eternidade preparada para nós... beijinhos

ah, e obrigado pelo comentario anterior, fiquei mesmo feliz =)

Mlee disse...

Quantas e quantas vezes me coloquei e me coloco essa questão ... Para lá da fé de que aconteceu, pura e simples, a razão em que vivemos agrilhoados obriga-nos sempre a fazer perguntas desse tipo.
Ainda ontem a liturgia falava da entrada de Maria Madalena no túmulo e da forma como Jesus lhe falou e ela, não o reconhecendo, achou que era o jardineiro. E nós ficamos assim, uma voz ... Jesus ressuscitado, a manifestar-se por uma voz que a toca, que a move desta forma leve, quase escondida.
É um pedaço de leitura adorável que nos chama a nós também a procurar essa forma velada com que Deus nos toca todos os dias mas, ao ouvi-la, a mesma questão que colocas no início do post, assaltou-me imediatamente e eu limitei-me a afasta-la com um abanar de caracóis :)

Beijinhos

Danilo Badaró disse...

Essa certeza é algo inexplicável apenas com as forças da razão. Porque se trata de um testemunho que nos é soprado ao coração pelo Espírito Santo. E confirmado em nós, quando vivêmos a dinâmica pascal.

Te disse...

Precioso!!! Este foi um tempo especial e inesquecivel, que passei em Rabo de Peixe-Açores.
Esta Páscoa, foi um presente de Deus escondido no coração de cada um que se cruzou comigo.
Obrigada Amigo!!!
Bjinhos

Anónimo disse...

..renascer...*

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates