03 abril 2009

Perdoar


A experiência do perdão é algo que na nossa Vida experimentamos como uma das maiores oportunidades de começar algo novo. Vivemos sempre muito presos às coisas que nos entristecem, em nós e nos outros. E tantas vezes nos habituamos a considerar isto já um estado habitual. Impressiona-me como podemos conviver dias, meses, ou anos a fio com sentimentos que bloqueiam relações e não nos libertam.

Perdoar não é esquecer e é muito difícil recomeçar a unir laços que se romperam. Talvez pensemos que é ingénuo da nossa parte fazer tudo como se aquilo que ontem nos fez sofrer, não existisse mais. Contudo, o chamamento do perdão leva-nos a qualquer coisa parecida com isto.


Creio que uma história, quer individual, quer relacional que, a certo momento, vem tocada pelo perdão, não significa recomeçar do zero, mas agarrar no momento presente e fazê-lo semente de uma vida mais iluminada. Não podemos ignorar o mal que fazemos a nós ou aos outros. Mas chega um dia em percebemos que não vale a pena insistir na tristeza. Afinal a Vida merece muito mais, e nós merecemos muito mais.

5 comentários:

Lara disse...

Gostei bastante do post, me identifiquei muito com sua reflexäo, perdoar é dificil , muitas vezes passamos por cima de algumas ideologia para que o perdão nos contemple , no entanto tudo muda, fica mais bonito e perfeito, realmente nos damos outra chance.

susana disse...

Perdoar é um exercicio de despojamento e de crescimento interior. Um exercicio muito grande. Que implica uma busca de algo muito mais à frente das regras e dos contracensos em que vivemos. É saber que a perfeição reside na imperfeição das coisas e das pessoas e que não nos encontramos acima do mundo para julgá-lo, quando dele fazemos parte.
Tenho-te lido mas tempo para te comentar seriamente não tenho conseguido. Mas fica sabendo que por aqui passo frequentemente e que este cantinho é para mim especial.
Um abraço grande
su

palmo&meio disse...

Perdoar, aquele perdão sincero e apaziguador e libertador é das capacidades mais bonitas que o homem tem e que é tantas vezes subaproveitada.
Sentirmo-nos perdoados é igualmente uma bênção. O perdão de Deus não nos faz recomeçar do zero, mas faz recomeçar de novo, com o que já temos, e com a força de poder viver melhor.
Quanto a mim o perdão dos outros, que já não depende inteiramente de nós, é o que poderá causar maior tristeza e ansiedade. De facto, insistir na tristeza não é caminho, e nós merecemos muito mais, mas há sempre uma inquietação de fundo se não nos sentirmos perdoados pelo outro. E, às vezes, a espera é longa.

Ni disse...

Nós merecemos muito mais, é verdade. Merecemos a vida por inteiro - é Ele que a oferece a cada segundo.
A presença de Deus ajuda-nos também a perdoar, a esquecer, a (re)começar sempre diferente, mais profundo(s) e certo(s). No entanto, fá-lo a nível individual dentro de cada um de nós e o verdadeiro perdão só acontece quando o nosso perdão se encontra com o do outro e juntos nos propomos a seguir em frente... juntos!

Bjinhos

Sol da manhã disse...

... e percebemos que não vale a pensa insistir a tristeza... que não vale a pena insistir na tristeza... e enchermo-nos de cor e de alegria, do som da felicidade, da luz e do bom aroma de paisagens onde o Amor é a segurança...e reina por dom, por graça... e saltar e voar no abismo da confiança...

Obrigada :)! (mesmo)

SHALOM

 

Cidade Eterna © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates